Fundação MT

Participantes do Encontro Técnico de Algodão fazem retrospectiva da safra e avaliam o evento

Produtores rurais, agrônomos e especialistas na cultura do algodão de todo o país afirmam que a safra 17/18 está entre as melhores safras quanto a produção, produtividade e mercado.

 

De acordo com o pesquisador do Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR), Walter Jorge dos Santos, os fatores climáticos foram determinantes para os bons resultados na produção. “Mas, outros fatores como o avanço no potencial genético da maioria das cultivares, que, aliados as melhores técnicas de manejo da cultura e melhor nível técnico dos profissionais envolvidos resultaram em ganhos de produtividade”, apontou Walter.

 

O regime de chuvas ocorrido durante a safra também é apontado pelo diretor de produção da Sementes Tropical, João Paulo Ribeiro, como fator que favoreceu muito o teto produtivo. “Tivemos chuvas bem distribuídas e prolongadas e uma boa luminosidade.”

 

Este panorama positivo da safra de algodão foi confirmado pelo produtor Édio Brunetta, do grupo Itaquerê. Conforme o cotonicultor, é o segundo ano que ele colhe ótimos índices de produtividade. “Temos boas expectativas para as safra 18/19. Tanto que vamos aumentar a área de cultivo e já começamos a comercializar a produção futura.”

 

A manutenção dos bons resultados do cultivo do algodão, dependem, conforme Walter Jorge, do constante aprimoramento técnico, da busca por atualizações, da melhoria operacional e da profissionalização de todo o corpo técnico da lavoura. “Os problemas ligados a fitossanidade (pragas, doenças e nematóides), são desafios crescentes, devido os níveis de infestação e limitações quanto as ferramentas disponíveis em relação aos defensivos agrícolas e os procedimentos de aplicação. Há outros problemas como os operacionais, ervas invasoras resistentes e destruição de restos culturais (soqueiras) que exigem atenção do cotonicultor”, explicou o pesquisador durante o X Encontro Técnico de Algodão que aconteceu de 29 a 31 de agosto em Cuiabá/MT.

 

Estes fatores limitantes da produção exigem, conforme João Paulo, que o produtor e sua equipe saibam interagir com o ambiente e a planta, para que possam proporcionar um bom manejo e assim os bons resultados dessa safra possam se repetir na próxima.

 

Para o produtor Édio, as informações técnicas apresentadas no evento são fundamentais para a manutenção do negócio de forma sustentável e rentável. “Por isso eu faço questão de estar nos eventos da Fundação MT. São oportunidades de termos nossa visão ampliada sobre o que ocorre na cultura a cada safra.”

 

A engenheira agrônoma Bianca Victoria Rotondo, aponta que o X Encontro Técnico de Algodão teve assuntos muitos pertinentes sobre a cotonicultura e os debates foram de altíssimo nível. “Foi um evento muito bem organizado, com um público muito interessado. Eu gostei muito e aprendi muito também.”

 

Cenário Político e Econômico – O X Encontro Técnico de Algodão contou com a participação de mais de 300 pessoas, teve palestrantes de diferentes instituições de pesquisas e de diversas empresas do setor. O evento foi encerrado com a palestra do jornalista William Waack que falou sobre o cenário político e econômico nacional. Segundo o profissional, especializado em política, vivemos no país um momento de crise, que as pessoas não acreditam nos políticos. É uma crise distributiva e de representatividade. “Há uma onda de revolta.  As instituições políticas estão sob ameaças.

Estamos diante de um sistema político arrebentado. Quem ganhar as eleições terá de demonstrar sobretudo a capacidade de articulação e capacidade de entendimento. A única coisa que nos garante são as leis. Elas devem ser respeitadas. Não se pode quebrar a lei. Tem que ser respeitadas. O que precisar mudar, tem que mudar pelo voto.” Ele destacou a importância do setor agrícola para o país. “Agronegócio é essencial para o Brasil, que a todo tempo se renova. A economia brasileira depende e muito desse setor.”