Fundação MT

Estudos em solos arenosos objetiva o avanço da agricultura de Mato Grosso

Após quase um ano de parceria firmada, a Fundação de Apoio à Pesquisa Agropecuária de Mato Grosso, Fundação MT, e a Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso, (Aprosoja/MT) inauguraram para produtores rurais o Centro de Aprendizagem e Difusão (CAD) do Parecis, em Campo Novo do Parecis (MT). A nova área experimental possui 88 hectares de área com textura variando entre 34% e 8% de argila e tem o intuito de realizar pesquisas que auxiliem o produtor rural a cultivar soja e milho em áreas com essa condição, de solos arenosos.

Para a inauguração do CAD, localizado na Fazenda Vô Arnoldo, do grupo Agroluz, as duas entidades promoveram o Dia de Campo Soja em Solos Arenosos, no dia 17 de fevereiro. Participaram 254 produtores rurais associados à Aprosoja de Campo Novo do Parecis e região, que puderam ver a campo experimentos já em andamento em manejo do solo, entomologia, nematologia, fitopatologia e sobre o Programa Soja Livre.

Francisco Soares Neto, diretor presidente da Fundação MT, pontua que os estudos já implantados no CAD Parecis surgiram de demandas dos próprios agricultores. “As perguntas chegam ao comitê técnico formado pelas duas entidades e transformamos em ensaios. Essa troca de informações é muito importante e vamos manter assim para as próximas pesquisas”.

Ainda em 2015, nas discussões da Aprosoja com seus associados sobre mudanças no manejo do sistema de produção, surgiu a vontade e a necessidade de buscar parceria para a pesquisa em áreas arenosas no Estado. “A Fundação MT, com sua história no desenvolvimento de novas tecnologias, cultivares e estudos de manejo é a parceira ideal, que topou esse desafio, não é fácil encarar um desafio novo, um projeto que não sabemos ainda todas as linhas pelas quais vamos caminhar, mas a instituição topou junto com a Associação”, destacou Endrigo Dalcin, presidente da Aprosoja.

Mesmo com os trabalhos da colheita em sua área, Nei Sponchiado, produtor de Campo Novo do Parecis, participou do Dia de Campo com um filho e um sobrinho e avaliou a iniciativa como fundamental para o futuro da agricultura em regiões de solos arenosos. “Precisamos aprender mais e esses estudos vão agregar na prática”. Além de cultivar soja, milho e cana, Nei também é adepto da pecuária. “O segredo é a rotação, mesmo com presença de nematoide”, frisou.

O experimento de manejo do solo foi o destaque na inauguração do CAD Parecis. Iniciado há 10 meses a partir do estudo de variabilidade da área, que delimitou a condição de solo inicial, estão no campo de pesquisa oito ensaios com protocolos distintos: gessagem em solo de textura média; modos de adubação fosfatada; pacotes de programas de nutrição com fertilizantes foliares e bioestimulantes; ensaios de doses de boro; ensaios de parcelamento de potássio; de dinâmica do potássio em solo arenoso; adubação no sistema milheto/soja; e fontes de doses de enxofre em solo arenoso.

Taimon Semler, pesquisador do Programa de Monitoramento e Adubação (PMA) da Fundação MT, explica que o objetivo principal do experimento é avaliar a longo prazo as técnicas de manejo do solo que possam viabilizar o cultivo em áreas de textura média arenosa.

Os trabalhos do CAD Parecis compreendem fitotecnia, uso e conservação do solo, dinâmica de nutrientes, sistemas de produção, correção do solo, pragas e doenças. E, assim como em manejo do solo, as pesquisas na área experimental vão continuar ano a ano através da parceria entre Fundação MT e Aprosoja/MT, ouvindo as necessidades dos produtores e com a difusão dos resultados.