Fundação MT

Pesquisadoras da Fundação MT alertam sobre manejo de doenças para próxima safra de soja

Antracnose, cercospora, ferrugem asiática da soja, mancha alvo e septoriose poderão ser as doenças vilãs na safra 2019/20 de soja. Elas podem, dependendo das condições climáticas, ocasionarem danos severos à cultura, consequentemente reduzirem a produtividade da lavoura. A recomendação é que os produtores rurais e sua equipe reforcem os cuidados com essas doenças. 


De acordo com pesquisadoras da Fundação de Apoio à Pesquisa Agropecuária de Mato Grosso, Fundação MT, dessas doenças, a mancha alvo e a ferrugem são as que os agricultores devem ter mais atenção. Elas são doenças causadas por fungos. “A mancha-alvo é uma doença que tem muitos hospedeiros, dentre eles a crotalária e o algodão. Áreas com plantio de cobertura com crotalária ou cultivo anterior de algodão estão propícias a ter maior incidência dessa doença, pois a fonte de inóculo é maior. 
Já a ferrugem da soja é disseminada pelo vento podendo atingir longas distâncias, não sendo dependente das culturas antecessoras”, explicou Josiclea Hüffner Arruda, Fitopatologista da Fundação MT. 


Diante da incidência dessas doenças na sojicultora, o manejo integrado é ferramenta de controle que pode diminuir possíveis danos ou perdas. Para tanto, a orientação é o uso de sementes sadias e de boa qualidade; aplicação no momento correto, na hora exata, com o produto certo e na dosagem indicada; utilização de fungicidas multissítios aliados aos fungicidas sistêmicos; e escolha de cultivar que propicie controle eficiente em função do arranjo de plantas. “Além disso, deve-se dar atenção à tecnologia de aplicação, para que o produto atinja o alvo de forma mais eficiente e sejam respeitadas as condições ambientais ideais de aplicação”, destacou Mônica Müller, Fitopatologista da Fundação MT. 


Essas recomendações estão sendo repassadas pelas pesquisadoras no É Hora de Plantar que está sendo realizado nos municípios produtores do estado de Mato Grosso. Na palestra intitulada “Manejo de doenças em soja – reflexões e recomendações técnicas” elas apresentam informações sobre as causas, as ocorrências e os danos causados pelas principais doenças da cultura da soja. E reforçam a importância da integração das medidas de controle. “Todas as ferramentas de manejo devem ser usadas. É só com integração de todas as áreas que é possível ter mais rentabilidade e sustentabilidade da lavoura”, disse a pesquisadora Josiclea Arruda. 


Ambas pesquisadoras indicam o controle químico, cultural e genético para o manejo de doenças. Para o controle químico elas orientam o uso de fungicidas sítio específicos e dos fungicidas multissítios, também chamados de protetores. O timming da aplicação é considerado por elas como essencial para a garantia da eficiência do produto. “Muitas vezes a falha no controle está relacionada com o timming. Fungicidas devem ser usados preventivamente pois seu efeito curativo é muito inferior”, pontuou a pesquisadora Mônica. “Deve-se também rotacionar princípios ativos como estratégia de controle mais eficiente e estratégia de manejo da resistência, para que seja reduzida a pressão de seleção de cada grupo químico”, completou Josiclea. Já para o controle cultural e genético, as pesquisadoras orientam o plantio antecipado para fugir da época mais favorável à ocorrência de ferrugem da soja e o uso de variedades resistentes, respectivamente.

O É Hora de Plantar é realizado pela Fundação MT. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas no local do evento. As próximas cidades a receberem a equipe do É Hora de Plantar serão: 


Primavera do Leste – dia 25 de setembro a partir das 18h30 no Sindicato Rural

Campo Verde – dia 26 de setembro a partir das 18h30 n a Cooperfibra

Rondonópolis – dia 27 de setembro a partir das 18h30 na Fundação MT