Fundação MT

Evento da Fundação MT mostra ganhos e perdas de produtividade conforme manejos e insumos adotados

De 23 a 29 de setembro será realizada em mais seis cidades pela Fundação de Apoio à pesquisa Agropecuária de Mato Grosso, Fundação MT, a segunda etapa do “É Hora de Plantar” que tem o objetivo de ajudar produtor e equipe a traçarem estratégias para a safra 19/20 que começará a ser plantada no início de outubro.  No mês passado, a turnê de difusão tecnológica esteve em noves munícipios produtores de Mato Grosso. 

 

Uma das estratégias que será apresentada para o público das cidades de Querência, Canarana, Água Boa, Primavera do Leste, Campo Verde e Rondonópolis é sobre adubação e nutrição da cultura da soja. Na ocasião, especialistas no assunto mostrarão como a pesquisa pode ajudar a classe produtora e todos os profissionais que lidam diretamente com a lavoura a obter maior eficiência na adubação. 

 

De acordo com Fábio Ono, Doutor em Ciência do Solo, os dados das pesquisas possibilitam observar com números e em diversos locais ao longo dos anos os ganhos e perdas de produtividade da soja conforme os manejos adotados e também a eficiência de uso dos insumo. “Há muitas dúvidas que antecedem o plantio quanto a adubação e nutrição da cultura da soja”, afirmou o pesquisador da Fundação MT. 

 

Dentre as várias perguntas, Fábio cita algumas das que poderão ser sanadas durante o “É Hora de Plantar”: Qual o momento de aplicação dos fertilizantes (se há algum problema na antecipação de todo o fertilizante do sistema soja/milho safrinha ou soja/algodão e qual a dose que pode ser praticada) em solos arenosos e argilosos? Como manejar os nutrientes móveis no solo (potássio, enxofre e boro) em solos arenosos e com pouca palha? 

 

Para o pesquisador, mesmo com informações de qualidade e ações eficientes no solo, uma lavoura produtiva passa pela integração de todas as áreas da atividade agrícola e que nenhum setor pode ficar isolado. E esse tem sido o lema ao longo deste ano dos eventos da Fundação MT – “Integração: a chave que abre novos horizontes” para reforçar como os trabalhos dentro e fora da fazenda devem ser feitos: conectados e integrados. 

 

Com relação a parte específica da adubação, as principais recomendações do especialista são: “Priorizar aporte de palha no sistema de produção, pois os benefícios da palhada são imensos, melhorando a parte química, física e biológica do solo. Aplicar os fertilizantes respeitando as doses necessárias (exigência da cultura considerando a eficiência no sistema) e nos momentos corretos para cada ambiente de produção. Realizar uma boa inoculação das sementes e plantio em condições de umidade dando condições para que ocorra uma boa fixação biológica de nitrogênio. Regular as máquinas de distribuição dos fertilizantes para cada tipo de insumo de modo que a distribuição seja homogênea nas áreas”. 


As inscrições para participar do “É Hora de Plantar” são gratuitas e podem ser feitas no local do evento. Mais informações no www.fundacaomt.com.br